nanette lepore

nanette lepore

Nanette Lepore (born in 1964 in Youngstown, Ohio) is a well known fashion designer based in New York City. New York magazine has said that “her gypsy-influenced designs are feminine and youthful. The looks are full of bold colors and bright prints, with ruffles and lace that manage to look good-time-girly but not overly frilly.”

Nanette Lepore gained celebrity in the fashion world after she returned to California, opening a boutique store in Los Angeles and selling her outfits to clients in Europe and Asia. She also began to have her items featured in the famous American store chain, Neiman Marcus. She also gained renown for her flair on the runway and began to attract stars like Aida Turturro, Illeana Douglas, Lorraine Bracco, Eva Longoria, Kerry Washington, and America Ferrera.

She also has her own fragrance named Nanette.

In spring 2007, Nanette Lepore launched a collection of shoes with Keds. Mischa Barton was the face of the line.

Today, Nanette Lepore is sold across America, including Saks Fifth Avenue, Neiman Marcus, and Macy’s. She has boutiques in Chicago, Boston on Newbury Street, New York in Soho and Madison Avenue, Los Angeles on Robertson Boulevard, one in Caesar’s Palace Las Vegas, in Tokyo, one in Friendship Heights in Washington D.C., and a storefront in London just off the famed Portobello Road. She has additional boutiques in Hong Kong and Shanghai and Bal Harbour

nanette lepore

http://www.nanettelepore.com

 虎 ADRIANA  SASSOON 亥

V i r t u a l    S t ī ′ l i s t

Sharing my life’s passion for * Beauty * Fashion * Design.

Copyright © 2009  ADRIANA SASSOON.All Rights Reserved.

“I have never been aware before how many faces there are. There are quantities of human beings, but there are many more faces, for each person has several.”
Rainer Maria Rilke

S t ī ′ l i s t

Styling is probably one of the most misunderstood professions of all. For many people, a “stylist” is merely a person who cuts hair and applies makeup.When one says,”I’m a stylist”,the first thing that comes into our mind is probably a beauty salon

  • a person who designs, creates, or advises on, current styles, as in dresses, shoes, make up, etiquette, photo soots, marketing campaings, editorials ;

  • a person who styles hair, apparel, interiors, exteriors, merchandise, tabletops, furniture, landscapes.

MARY QUANT

100090015

Mary Quant was born on 11 February 1934 in London.

She was educated at Goldsmiths’ College of Art. In 1957 she married Alexander Plunket Greene, whom she had met at art school. Together, the two of them with another friend started a shop in the King’s Road, Chelsea, called “Bazaar”. Underneath, they had a restaurant called “Alexander’s”.

In the 1960s she won a number of design awards and in 1966 Mary Quant was awarded the OBE. Her designs proved particularly popular in the sixties, most notably Mary Quant designed the mini-skirt which became emblematic of the decade. In 1966 she branched out by founding Mary Quant Cosmetics.

Mary Quant won the Hall of Fame Award, British Fashion Council in 1990.

In 1999 Mary Quant told the BBC World Service:

“I grew up wanting to design clothes. The whole thing hit me at a very early age. In fact, I’m still in disgrace for cutting up a bedspread when I was ill with measles, aged something like six or seven. I think it started for me in that I inherited my clothes, as a child, from a cousin. And I must have been a very self-conscious child. Because I thought they weren’t me.”

Mary Quant, estilista inglesa, começou sua carreira abrindo uma pequena boutique em Londres no ano de 1955, chamada Bazaar. Como não encontrava o tipo de vestuário que pretendia vender, ela começou a criar as suas próprias peças.

Nos anos 60 a loja converteu-se num império internacional para o qual Mary Quant criou roupas, acessórios e produtos de cosméticos, tudo jovem e pouco complicado.

A mini-saia que Mary Quant apresentara em meados dos anos 60, teve um êxito estrondoso. Ela compartilhava com André Courrèges a invenção da mini-saia, muito embora ela própria atribuía sua origem as ruas.

As primeiras bolsas desenvolvidas por Mary Quant, foram feitas nas cores preto e branco em PVC, decoradas com grandes manchas ou com seus famosos motivos em margaridas.

A flor de plástico com a qual Mary Quant enfeitou a sua moda Lolita, tornou-se no final da década, uma verdadeiro símbolo do direito à paz. Muitos jovens e adultos se sentiam atraídos pelo movimento Flower Power promovido pelos hippies.

“ Eu quero criar novas maneiras de fazer roupas com novos materiais juntamente com acessórios modernos que mudam conforme o estilo de vida das pessoas”.

Pernas, pernas e pernas. Foram elas o símbolo da revolução feminina nos anos 60 seja na minissaia, lançada pela inglesa Mary Quant e por Courrèges, ou na calça comprida do terninho criado em 1968 por Yves Saint Laurent.

obrinvs072p1

 

Galeria de fotos: saiba como usar os looks de 68 nos dias de hoje

 chanel2007.jpg

De pernas de fora ou cobertas pela pantalona, as moças ganharam o mundo e começaram a acreditar que poderiam um dia ser livres, transar sem engravidar graças à pílula anticoncepcional, trabalhar sem depender do marido e viver felizes para sempre fora das grades do lar.

 

Entenda a importância dos acontecimentos de maio de 1968

Não foi por acaso que as revistas da época fotografavam as modelos pulando sem parar. Com as pernas da manequim Verushka, os olhos atentos da inglesa Twiggy e o espírito livre de Leila Diniz, a mulher de 68 foi guerrilheira, intelectual e ultra sofisticada.

O espírito inglês dos Swingin London dominava a cena internacional e quem amava os Beatles vestia terninho no estilo mod, usado pelos dândis da classe média londrina. Em Paris, revolucionada pelas manifestações, os mestres da moda Courrèges, Pierre Cardin e Paco Rabanne davam sua própria virada, restrita aos ateliês de alta costura, já articulando outra revolução, a do prêt-à-porter.

Mauricinhos Rive Droite contra revolucionários Rive Gauche

A jornalista Christiane Fleury, filha do correspondente do grupo France Soir, Jean-Gérard Fleury, no Brasil, acompanhou os acontecimentos de maio de 1968. Em Paris, além dos confrontos estudantis e operários, havia, segundo ela, a oposição entre a juventude Rive Droite (o lado chique e rico da cidade) em relação a da Rive Gauche (a universidade da Sorbonne e arredores, coração das manifestações).

“Na época eu estudava no Liceu Francês no Rio e costumava passar três meses na cidade. Quando os conflitos aconteceram eu era Rive Droite e andava com os rapazes bonitinhos, que usavam pulôveres e coletes de Shetland (fina lã extraída de ovelhas criadas nas ilhas Shetland, na Escócia), um estilo college de fazer inveja a Ralph Lauren”, diz.

Mais tarde, quando foi estudar na Sorbonne virou Rive Gauche. Na Rive Droite nasceu o Bon Chic Bon Genre (BCBG), elegância mais tradicional, influenciada pela alfaiataria inglesa. Dos líderes de maio de 1968, Christiane gostava de Jacques Sauvageot, de paletó de veludo cotelê e camisa social, “o mais bonitão e charmoso”, lembra Christiane.

Nas ruas, segundo a jornalista, a Rive Gauche não usava nem Courrèges nem Cardin mas já aderia ao estilo hippie. “Quando fui enviada para cobrir uma exposição no Grand Palais pela revista Manchete, descobri que além dos ingleses, os franceses também estavam criando coisas interessantes com Courrèges, Cardin e Paco Rabanne, este último mostrando suas criações no Grand Palais e já fazendo seu merchandising com as modelos se apresentando dentro de carros”, conta.

  Rhodia, tergal e Bibba no Brasil

No Brasil a moda dos anos 60 entrou na era industrial com as fibras sintéticas (náilon, banlon e tergal) fazendo com que os revolucionários não perdessem o vinco. A produção em larga escala exigiu um marketing à altura, bancado pela Rhodia e idealizado pelo publicitário Livio Rangan, que promoveu os primeiros desfiles-espetáculo na Fenit (Feira Nacional da Indústria Têxtil) envolvendo artistas como Volpi e Aldemir Martins na criação das estampas, em verdadeiros shows com roteiro de Carlos Drummond de Andrade, Millor Fernandes e Torquato Neto.

Muito antes da loja Bibba de Barbara Hulanick em Londres, já tínhamos a nossa, inaugurada no dia 15 de novembro de 1960, em Ipanema, por José Luiz Itajahy. “Voltei da Inglaterra e passei a comprar modelagens nas principais lojas de lá adaptando-as para o Brasil”, conta José Luiz, hoje dono do restaurante Sushi Jardin, em Búzios.

Inimigo ferrenho do sutiã, José Luiz se orgulha de ter colaborado para liberar várias mulheres: “Eu vivia com uma tesoura no bolso de trás da calça. Quando via que podia cortar o sutiã da cliente, eu cortava”. Itajahy vestiu a atriz Dina Sfat (outra musa da época) para o prêmio Molière. “Ela estava esperando bebê, com um barrigão e preocupada com o sapato pois o pé inchara. Vesti a Dina num tecido de gase pintado e a convenci a ir descalça”.

Para entrar no clima sixty 68

Em ritmo de “vale a pena usar de novo”, as meninas voltaram a garimpar nos brechós clássicos como a boina para dar um ar francês. Se você usa óculos o look fica perfeito e intelectual mesmo que não tenha lido uma linha do “Segundo sexo”, de Simone de Beauvoir. A seguir um roteiro de estilo:

retrato20beatles

 

Terninho: a estilista Nica Kessler apostou no look mas recomenda: “quebrar o combinadinho com sapatos e acessórios coloridos.

Minissaia: Quando a estilista Mary Quant criou a peça fez também meias coloridas para que não chocassem demais. As minis de hoje fazem boa parceria com meias coloridas sem esquecer que as brancas dão o ar futurista lançado por Courrèges e Cardin na época.

Gola Rulê: Um clássico dos anos 60 tanto para homens como para as mulheres. Fica super revolucionário retrô sob vestes e vestidos, completados por botas baixas e mais largas.

Acessórios: Lenços, óculos enormes, anéis e brincões no gênero Verushka farão você botar um pé nos 70, quando no Brasil os sonhos revolucionários foram destruídos pela ditadura e a moda, hippie, colorida e desbundada, virou uma válvula de escape.

http://www.maryquant.co.uk/home.htm