ZERO ENERGY

 

Project Location: ENGLISH RESIDENCE ,Orleans, Massachusetts

Client: Professional couple based in Washington, DC, near retirement, how regularly host extended family

Services Provided by Firm: Architecture, Construction Admin., Energy Modeling, HVAC Design, LEED Consulting

Summary: This original design is a modern, green home, designed for the client’s vacation property to replace a seasonal residence that was originally built in 1958.

The new construction 2000 SF, 3 bedroom, 2 bath home features a roof deck, outdoor kitchen, and green roof. The Energy Star-rated home also received a LEED for Homes GOLD certification from the US Green Building Council.

The Design Challenge: The design challenge was to replace the original building with one that reflected the client’s modern sensibilities, embodied the client’s

environmental philosophy, and provided modern-day amenities for the client’s planned retirement and full-time relocation to the property. The following design solutions were developed:

Modern Design for a Retirement Retreat: The home’s modern exterior is composed of three forms delineated by both geometry and material. The first floor consists of the Red box, which features the kitchen, living room, breakfast nook, and the Orange Box, which features the first floor bedrooms and full bath. The second floor Cedar Box houses the master suite and study. The Cedar Box’s cantilevered placement over the orange box and its roofline optimally shade southern windows (read more about window shading below).The relationship between the orange and red forms allows for a front entry that leads directly to the lake front deck. This well-traveled path is delineated in stone for additional durability while the rest of the living spaces featurebamboo flooring. The site’s autumnal color palette inspired the vibrant red and orange façade colors while the Cape Cod location influenced the shiplapped cedar siding.

Environment and Energy: The client’s environmental philosophy is reflected in design’s commitment to energy efficiency. The high performance building envelope consists of spray foam insulation and rigid insulation, which provides a tight wall free of thermal bridging. Further, the home is designed for passive solar heating: the Cedar Box’s roof overhang shades southern glass from unwanted heat gains from the high summer sun, but admits warming rays from the lower winter sun. The south-facing windows in the Red Box are shaded by mature deciduous trees that provide shade in the summer and sun in the winter when their leaves have fallen.The home’s HVAC system provides exceptional performance with a high efficiency condensing boiler and radiant floor heating. Indoor air quality is maintained with an allergen filtration system and a heat recovery ventilator, which provides fresh air but minimizes energy losses by exchanging heat between incoming and outgoing air streams. Finally, the home’s photovoltaic panels offset one-third of the home’s electricity use. These efforts yielded a score of 39 on Energy Star’s HERS (Home Energy Rating System) Index, which means the home uses 60% less energy than a code-built equivalent home.

Indoor/Outdoor Living: The client’s expressed love of the site to sit outdoors in and bird watch provoked two outdoor living spaces—a covered patio on the first floor and a second floor roof deck. The patio is an extension of the living room and dining room, both of which connect via large glass sliders.

The second floor roof deck features a roof garden built to provide green vegetation at eye level when seated, an outdoor kitchen and grill, and unobstructed views of the surrounding tree tops for bird watching.

Universal Design for Retirement Living: Though the client plans to use the master suite upon retirement, the home’s first floor bedrooms and ADA bathroom are well-suited for accessibility as the client ages.

Sustainable Materials: The home features many sustainable materials including bamboo flooring, recycled tile, quartz countertops, fiber-cement and cedar siding, FSC-certified decking, reclaimed decking, and low-VOC paints.

Stephanie Horowitz and Ben Uyeda designed together for  ZeroEnergy Designs   www.zeroenergy.com 

Stephanie Horowitz and Ben Uyeda wanted to embrace the simple forms and open floor plans of modern architecture  using color and texture to make spaces that feel warm and inviting.  Modern design can seem a bit rigid and cold at times.  On the exterior of the buildings used “green” designs features such as a living roof and photovoltaic panels not to just make the home more environmentally friendly but also to add color and texture. A choice of bold colors for the Fiber cement siding and thus celebrated a normally understated but durable and highly affordable material. The clean lines of the interior spaces frame furniture from a variety of different eras.  This is not the largest or most luxurious home the Team  has designed. Uyeda is proud for the green features integration into a inviting and economically attainable home.

ECO SACOLAS

PALESTRA FEITA POR ADRIANA SASSOON NO ROTARY CLUB JABAQUARA.

 CLAUDIO TOZZI & ADRIANA SASSOON

Por Daniel Pereira,

As sacolas plásticas ou saquinhos de supermercado são uma praga moderna que devem aos poucos ser abandonadas por nós. Uma praga pois, qualquer coisa que compramos no supermercado, é embalada nela. Os saquinhos plásticos são derivados de petróleo, substancia não renovável feita de uma resina chamada polietileno de baixa densidade PEBD e sua degradação no ambiente pode levar séculos, ou seja, nossos s tataranetos vãos se deparar com os saquinhos que nós jogamos fora hoje. No brasil 9.7% do lixo é compósto por sauinhos de lixo e a sua produção é nociva para o meio ambiente, pois para produzir uma tonelada de plástico é necessário 1 140 kw/hora (7600 residencias iluminadas com lampadas economicas por uma hora).

Outra coisa nociva: a poluição dos mares e dos rios por este tipo de lixo. os saquinhso plásticos csão confundidos por peixes e pelas tartarugas por exemplo, com águas vivas que são alimentos e ao ingerir os plásticos, iamginem o que acontecem com os peixes e tartarugas. No espaço do projeto Tamar podemos ver expostos cadaveres de animais mortos desta forma.

Os saquinhos também provocam entupimentos em bueiros e contribuem para reter mais lixo. Quando incinerados, os  sqaquinhos liberam toxinas perigosas para a saúde.

A grande idéia é irmos susbstituindo aos poucos, como diz o companheiro Pablo, os  saquinhos por outras formas, como sacolas não  desacartáveis, do mesmo modo que foram substituindo os nossos saqinhos de papel. Uma dica é pois levar seja ao supermercado, a quitanda, a feira ou  a padaria,  uma sacola própria para fazermos as compras. Eu me lembro de uma sacola de feira muito forte e tambérm uma  tipo “embornal” que minha mãe costurava e ela sempre carregava.

Outra coisa é utilizar caixas de papelão quando a compra é grande ou se compramos verduras.

Ora poderemos sim, repensar os  armazenqamentos de nossas compras sim. Na Europa os costumes já começaram a mudar. Na Alemanha por exemplo, o sujeito que não levar sua própria sacola os uspermercados pagam um preçoa bem alto por cada saco que utiliza. Na Irlanda e na Inglaterra já temos sacolas biodegradáveis.

 As ecobags – sacolas retornáveis poderãos ser cada vez mais adotadas pelos supermercados – são ecologicamente corretas e, em alguns casos, visualmente atrativas para os consumidores. O consumidor não criou ainda o hábito de substituir as antigas sacolas plásticas. A discussão sobre a troca dos sacos em Natal no RN foi calorosa , com a aprovação na Assembleia Legislativa de uma lei que obriga os supermercados da cidade a eliminarem em, no máximo dois anos, os plásticos para carregar compras.

Das empresas locais às redes de abrangência nacional, as bolsas ecológicas já fazem parte do dia-a-dia dos consumidores nos supermercados de Natal. Geralmente, elas ficam posicionadas junto aos caixas, uma forma de estimular o consumidor a adquiri-las. O valor das sacolas são variáveis: em algumas redes elas são vendidas por menos de R$ 1 mas há opções que chegam perto de R$ 2,50. A maior parte é feita de algodão cru, mas há opções também de plástico mais resistente que pode ser reutilizado.
Nas lojas do Extra em Natal, a redução do uso de sacolas plásticas  já chega a uma média de 20%. “Este resultado é fruto do trabalho que o hipermercado tem realizado junto aos seus clientes, estimulando a utilização de sacolas retornáveis e evitando o desperdício das embalagens plásticas”, disse Messias Lima – gerente da loja do Midway Mall,. O percentual vem somar ao balanço geral que o Grupo Pão de Açúcar acaba de liberar de suas 597 lojas do Brasil, que ao todo conseguiram uma economia de 35% de sacolas plásticas no este ano se comparado ao mesmo período do ano passado.

Autor do projeto de lei que foi aprovado ontem na AL, o deputado estadual Paulo Davim declara que é preciso uma ação rápida dos supermercados para substituir os plásticos. A nova lei admite que sejam utilizados produtos biodegradáveis, papel ou outros tipos de opções para o consumidor. “O plástico demora milhares de anos para se decompor. Precisamos substituí-los o quanto antes.

Em Bauru, no interior paulista onde meu filho Yuhu estuda, pude rpesenciar os estudantes portando embornal de algodão para os seus trotes e depois para carregar livros. 

Assim, em São Paulo já sentimos alguns movimentos nos entido de reduzir o numero de sacos plásticos e uma campanha de esclarecimento a população  precedida de ações como utilizar suas próprias sacolinhas nos parece muito adequada e apropriada. Companheiros temos que começar algum dia. Pablo term razão. Podemos começar já!. 

http://www.sermelhor.com/artigo.php?artigo=56&secao=ecologia

Visitamos, neste fim de semana, após um almoço no D.Pepe di Napole na bela companhia dos artistas Cláudio Tozzi e Caciporé e da querida eterna Adriana Sassoon,  o projeto que o arquiteto Isay Weinfeld fez para o  Havaianas Store na Oscar Freire . Vi que a proposta  de utilizar uma ecobag é genial. As mulheres percorrem o espaço com uma sacola pendurada  e vao comprando e colocando tudo na sacola.

*Adriana é adepta dos movimentos ambientalistas e tem uma griffe de produtos e achou muito boa a idéia da sacola retornável e até posou com a imagem do artista Claudio Tozzi para dar uma ideia de como poderia ser uma eco-bag com o papagaio do Claudio estampando uma delas.

Issao Minami